terça-feira, 12 de setembro de 2017

O Dom

Já que o que a vida me trás eu não recuso
A perda também faz parte do uso
Nada é mais eterno que as gentes
E durante o tempo necessário é presente
Tens o dom amiga, de sorrisos florescentes
Elemento que se sustenta permanentemente

Guerreira Xue

quinta-feira, 7 de setembro de 2017

SENSO COMUM

Na rotina diária o homem respira, trabalha, come e dorme. Suas diversões são; futebol das quartas e a bebedeira das sextas, acompanhado de outros bêbados que chamam de hora feliz. Certo ou errado, cada um é que sabe de si. Algumas mulheres acompanham o ritmo, dando colorido ao evento. 
O trabalho, dívidas, casa, tudo sufoca. 
E vive-se assim, autômatos que fazem aquilo que rege a maioria. Lembrei uma velha frase batida; senso comum, tanto que sequer faz falta. Porque se morreres amanhã, nem o garçom, que sorridente atendia, terá tempo de lembrar-se do teu nome, tampouco da tua cara.
Guerreira Xue

sexta-feira, 1 de setembro de 2017

A ÁRVORE E O VENTO

De todo tempo que tenho
Eu sempre morei aqui
Com raízes pegadas ao chão
Espalhadas...
Sem que jamais saísse do lugar
Mudei tanto que quando percebi
Completei a magistral brotação
Mas eu vi e vivi tantas coisas
Que agora mal consigo lembrar
Ilusões e sonhos que eram meus
E viajando por mundos estranhos
Os bizarros eram os Eus
Por vezes eu me perdi, andei a esmo
Muito próxima
Ao alcance das mãos de mim mesmo
E para cada estação é um novo momento
Desde o início dos tempos tem sido assim
Os frutos já se foram
E as minhas folhas voaram com o vento
Enquanto o vento matreiro voou em mim
Enfim
Eu continuo aqui, buscando o meu lugar
Até o dia do fim.

Guerreira Xue