quinta-feira, 24 de julho de 2014

ARIANO SUASSUNA

Hoje sem Ariano Suassuna, uma pena mesmo. Tanto a morte como a vida, não tem muita explicação. Então vamos vivendo...
Escolhi este seu pequeno texto só para contraria-lo, pois um escritor vive sempre, a partir do momento que alguém lê ou assiste, qualquer obra sua.

16/06/1927, João Pessoa, Paraíba
 23/07/2014

terça-feira, 22 de julho de 2014

WE AND THEY ...

Se é verdade que tudo já foi dito, acho que é hora de reformularmos o pensamento, rever o que não dá certo, e tentar outra forma de sentir e agir. Pelo menos não custa tentar
Os pensadores já escreveram tudo, é o que parece, e deixaram-nos sua ideias de herança, e em minha concepção é partindo das ideias "deles", que avançamos para a nossa eventual liberdade de agir ou pensar sobre a sociedade atual. e não apenas repetir suas frases, como se fossemos papagaios de pirata. Quando leio a famosa frase de Carl J.Jung "Todos nós nascemos originais e morremos cópias." Me remete à pensar em como era fácil simplesmente reduzir a sociedade como um todo, nesta frase impactante.
Todo o pensamento tem controvérsia, e todos que pensam podem contestar, e revindicar seu próprio direito de ser, ir e vir, subir e descer, etc etc...
Não adianta a sua biblioteca ser cheia de filósofos, se sua cabeça continua cheia de frases "batidas",
E se tudo isso não ajuda-o para desenvolver sua própria capacidade de argumentação, mesmo que esta com o agravante de tender para este ou aquele grande pensador, joga então seus livros fora e compra revistas de moda.
"Nascemos originais", mesmo que sejamos gêmeos? Ou por DNA exclusivo?
"Morremos cópia", por falta de desenvolver nossa própria capacidade de pensar? Ainda temos o DNA exclusivo, então como fica?
O mundo muda, as ideias giram, as pesquisas avançam e quando este psiquiatra e psicoterapeuta disse esta frase que circula na rede como se fosse uma verdade absoluta, era década de cinquenta, e de lá para cá, muita coisa já mudou, ou não?

Guerreira Xue


domingo, 20 de julho de 2014

STOP THE WAR

Quero crer que um dia seremos melhores, porém este dia esta demorando muito para chegar. Então eu choro, mas por dentro algo me diz que só chorar não basta. Mas cobrar um ponto final neste despropósito é o que pode bastar.
É preciso agir, qualquer coisa é melhor que assistir esta guerra que desenrola-se ali, nesse lugar que parece tão distante, mas que recebemos imagens instantâneas ao vivo, e em cores brilhantes de sangue.
Apelar para o bom senso seria uma opção, se houvesse bom senso claro.
A minha amiga Ceci disse-me outro dia que este mundo não tem mais solução, e que o melhor mesmo era dar cabo da vida. Não sei o que me deixou mais triste, se era aquelas mortes desnecessárias ou, se era minha amiga pensando em suicidar-se.
Digo a minha querida amiga Ceci, que se não vale viver por todas as atrocidades que assistimos de nosso sacrossanto lar, pelo menos que valha por fazer a nossa parte, afinal existe gente que ainda consegue, no meio deste caos, fazer alguma diferença.
"Quem?" Pergunta-me ela.
"Bem, sempre posso pensar em madre Teresa, em Irmã Dulce, em Zilda Arns, etc etc..."
Ao que Ceci ainda resiste; " Mas estas são uma em um milhão". E é verdade.

Uma sociedade como a nossa já deu cabo de si faz tempo, e por alguma razão quer acabar com qualquer oportunidade de futuro.
Não temos mais tempo agora, seja para chorar os filhos nossos, seja para salvar os filhos seus.
Quero registrar aqui o meu protesto, e eu estou armada, armada da palavra e não tenho medo de usa-la.
Parem a guerra, não matem nossos filhos, e não amaldiçoem a nossa terra.
Guerreira Xue
"Por vezes sentimos que aquilo que fazemos não é senão uma gota de água no mar. Mas o mar seria menor se lhe faltasse uma gota."
Madre Teresa de Calcuta