domingo, 20 de julho de 2014

STOP THE WAR

Quero crer que um dia seremos melhores, porém este dia esta demorando muito para chegar. Então eu choro, mas por dentro algo me diz que só chorar não basta. Mas cobrar um ponto final neste despropósito é o que pode bastar.
É preciso agir, qualquer coisa é melhor que assistir esta guerra que desenrola-se ali, nesse lugar que parece tão distante, mas que recebemos imagens instantâneas ao vivo, e em cores brilhantes de sangue.
Apelar para o bom senso seria uma opção, se houvesse bom senso claro.
A minha amiga Ceci disse-me outro dia que este mundo não tem mais solução, e que o melhor mesmo era dar cabo da vida. Não sei o que me deixou mais triste, se era aquelas mortes desnecessárias ou, se era minha amiga pensando em suicidar-se.
Digo a minha querida amiga Ceci, que se não vale viver por todas as atrocidades que assistimos de nosso sacrossanto lar, pelo menos que valha por fazer a nossa parte, afinal existe gente que ainda consegue, no meio deste caos, fazer alguma diferença.
"Quem?" Pergunta-me ela.
"Bem, sempre posso pensar em madre Teresa, em Irmã Dulce, em Zilda Arns, etc etc..."
Ao que Ceci ainda resiste; " Mas estas são uma em um milhão". E é verdade.

Uma sociedade como a nossa já deu cabo de si faz tempo, e por alguma razão quer acabar com qualquer oportunidade de futuro.
Não temos mais tempo agora, seja para chorar os filhos nossos, seja para salvar os filhos seus.
Quero registrar aqui o meu protesto, e eu estou armada, armada da palavra e não tenho medo de usa-la.
Parem a guerra, não matem nossos filhos, e não amaldiçoem a nossa terra.
Guerreira Xue
"Por vezes sentimos que aquilo que fazemos não é senão uma gota de água no mar. Mas o mar seria menor se lhe faltasse uma gota."
Madre Teresa de Calcuta