quinta-feira, 4 de abril de 2013

O DEFENSOR

    Em encontros e partilhas por vezes, involuntariamente é claro, acabamos por estacionar em certas "zonas de conforto" e quando aparece algo fora do contexto a nossa reação mais natural é disfarçarmos e discretamente deitar aquele olhar de condescendência e seguir adiante. O que não se compreende em geral é ignorado ou descartado já que não tem qualquer utilidade produtiva.
Geni andava estranha ultimamente e sua amiga Flor, percebera logo isso.
Aquilo podia ser qualquer coisa. Um pedinte que bateu a porta, gatinhos jogados na praça, uma história nova naquela cachola, etc etc...Esta senhora era um "poço" de informação.
Flor tinha duas opções, esperar ela falar ou perguntar mesmo. Então...
- Quer ajuda para arrumar a casa amiga? Geni se sobressalta
- Se estás dispostinha, eu quero sim... Respondeu-me com um sorriso
Em silencio começamos as duas, a arrumação ao som de Peter Gabriel que vinha do computador de Geni.

No meio da tarde, pausa para um café.
-Vai contar ou vou ter que implorar! Risos..
-Nada não Flor... Pensando somente.
-Me diga quando voce não pensa?
-Fui ao encontro dos escritores semana passada e conheci um senhorzinho interessante. Ando matutando aqui como escrever sobre o assunto.
-E...
-E nada, só conhecendo sabe. Ele me fez lembrar a figura de Miguel Cervantes, o Don Quixote.
-Sinto cheiro de história nova..Conte!
Ainda montando este quebra-cabeça, tento conversar com ele todos os dias, sem parecer invasiva claro, ele é um cavalheiro gentil e educado. Pesquisei seu nome e achei algumas informações.
- O que tem ele demais?
-Não sei, mas vou descobrindo, devagar.
Mudemos de assunto por favor. Como vai as aulas?
-Na medida do possível vai bem. Aquelas crianças são um praguedo, mas me viro bem por enquanto. Ambas rimos.
-Sei que os adora. Só não sei onde acha tanta paciência ganhando pouco.
-Meu problema maior ultimamente está na convivência com este novo acordo ortográfico.
-Muitas mudanças na escrita?
-Sinceramente amiga, isso é uma palhaçada, ficamos perdidas em sala e mesmo quem não discorda não sabe aplicar.
Se a ideia era "unificar o idioma para prestígio internacional", acho que alguém se equivocou, por que virou uma grande confusão. É claro que há interesses nem tão puros e desinteressados assim nesta mudança.
Os professores estão confusos.
-Explique por favor! Disse Geni curiosa.
Bem, o que eu entendi é que o mercado Lusófono é grande e que o idioma unificado vai permitir mais espaço literário ao Brasil.
-Por que só ao Brasil?
Primeiro pelas mudanças aqui não terem sido extremas, segundo por que ganhamos mais o mercado Lusófono africano.
-Mas se unificarem a língua portuguesa a UNESCO vai reconhece-la como idioma oficial, não? Segundo soube só não é oficial por haver duas ortografias. E depois a proposta partiu foi da Comunidade dos Povos de Língua Portuguesa. Não pensam que só o Brasil obterá vantagens, pois não!
Sorrindo Flor argumenta:- Sim amiga, mas quem "cantou" esta proposta foi o Brasil em 1986 e na época só Timor Leste ficou de fora por ainda não ser independente. O acordo da época pretendia unificar 99,5% do vocabulário. Portugal não concordou, claro. No acordo atual a unificação ficou em 98% devido a concessões de Portugal, todos os países assinaram o dito em 1990 porém, precisam ainda ratificar.
-Não ratificaram todos ainda? Me desculpe perguntar amiga, nunca liguei para esta conversa, pois para mim esta discussão era bobagem, coisa de burocratas que não tem que fazer e querem fazer jús aos salários que ganham.
-Parece que ainda falta Angola ratificar. E saiba que se não for ratificado por todos os envolvidos, a mudança ainda não será oficial - Voce não é professora Geni, não vai te afetar muito a escrita e depois, sempre tens teus corretores ortográficos de plantão. Sabe que existem várias universidades internacionais ensinam o portugues falado no Brasil?
Não sei dizer se os portugueses concordam. Existem as correntes contrárias, com certeza e acredito que estejam divididos .Penso que unificar o idioma não significava abandonar de vez seus dialetos regionais. Gosto de nossa língua como ela é. Temos um idioma formal claro, e temos o que se fala pelas ruas, guetos e periferias deste país enorme que é o nosso.
O que se compreende é que mais o portugues de Portugal vai ficando parecido com o portugues do Brasil e assim vai perdendo suas antigas influencias.
Para que entendas melhor isso eu dou-te exemplo.
A cada batalha vencida por Portugal, o povo que era escravizado era imposto o latim vulgar, língua falada antes, pela população. Isso trouxe-lhes misturas e influencias de línguas bárbaras e árabes."Isso" se chama substrato linguístico. No caso do Brasil não ouve esta imposição pois quando aqui chegaram, os portugueses encontraram índios com sua própria linguagem. Mais tarde é que começou a troca de elementos linguístico com a chegada dos negros e o contato com moradores de fronteiras.
Como voce ve, a cada mudança imposta no idioma vamos perdendo história e os antigos vão se juntar ao latim, mortinhos da silva. Eu como professora tento me atualizar o máximo que posso, mas tenho a impressão que os governos não se importam de ter mestres mal formados pois o sistema educacional está longe de ser eficiente.
Ano passado tive um aluno na turma da quarta série que não lia, sabe. Fiquei muito irritada porque as minha colegas que já conheciam o garoto o "empurraram" para mim com a seguinte observação.-Se voce não conseguir ensina-lo a ler, ninguém consegue.
-E ele aprendeu?
-Sim, mas esta política de que aluno não pode ser reprovado é no mínimo um desrespeito para com o indivíduo.
Geni mirava sua amiga com respeito e admiração. - Admiro a sua capacidade de conseguir resultados Flor..
Já sei! O título será "O defensor".
-Que!!!
-O título do novo conto mulher! E será sobre as pessoas que cuidam para preservar, a história do idioma. o Linguista não seria muito apropriado,suponho eu.
Flor não se aguentava de rir.
-E eu que pensei que voce tinha arrumado um chamego e voce só pensando em títulos!
Assim é minha avoada amiga Geni...E as risadas continuaram pelo resto da tarde.
Guerreira Xue/ Hilda Milk
https://www.facebook.com/GuerreiraXue/



segunda-feira, 1 de abril de 2013

DEIXA EU TE AMAR

- Conheci a Florinda há uns bons vinte anos e depois dela, a vida nunca mais foi igual para mim...
Veja que não foi um amor a primeira ou a segunda vista... Alias, nem sei quando comecei a gostar realmente dela. Demorei um bocado para me dar conta disso, sempre fui meio "tapado" sabe.
Na verdade eu estava era de "olho" na sócia e irmã dela, ambas eram dona de um pequeno restaurante perto do mercado que eu gerenciava no bairro.
Linda era muito vistosa e elegante tinha boa conversa e um riso fácil. Já Florinda nem tanto, era séria e compenetrada.
O fato é que Linda não me levava muito a sério e muitas vezes acabava por me deixar sozinho no restaurante, e com quem? Com a Florinda... E Florinda por sua vez, só me dava atenção por pena, de ver a irmã se comportar de maneira tão desagradável para comigo. Risos...
O barman acenava positivamente quando convinha ou negativamente quando apropriado e continuava com seus afazeres...
o homem do balcão estava ali há horas bebendo e falando... Gaspar, o barman, servira-lhe um martíni seco e o sujeito estava fazia um tempão enrolando com aquele drink quase que intacto a sua frente. "Velhote esperto, sabe que para ficar tem que beber, e agora desatou a desabafar. Eu devia era ganhar um extra por ter meus ouvidos servindo de penico deste povo".
E o homem continuava...
Florinda falava de tudo que era interessante, só omitia sua própria história eu até que perguntava-lhe mas ela era esquiva e sempre que podia, desviava o assunto e então quem me contava mais sobre ela, era a Linda.
-Ela viveu com um cara que tinha muito dinheiro e tiveram dois filhos juntos mas um dia ele simplesmente vendeu todos os bens que tinha e se "mandou", deixando ela e os pequenos para trás. Eu ainda era uma estudante e minha irmã me pagava a minha faculdade, sabe. Florinda perdeu a casa confortável, pois não tinha como custear um aluguel tão alto. Sem dinheiro e com sacrifício fomos reconstruindo nossas vidas, eu acabei meu curso de administração graças as comidinhas que Florinda vendia, e juntas fomos montando este pequeno negócio aos poucos, as crianças cresceram e agora o mais velho, que é engenheiro civil, mora na Austrália e Isabela faz intercambio no Canadá.
Está interessado na Florinda Homem?
Quase engasguei de surpresa.
-Claro que não, só estou curioso.
-Uma pena, pois queria muito que Florinda fosse feliz com alguém um dia.
Minha irmã é a melhor pessoa que conheço no mundo. Sabe que mesmo trabalhando muito no restaurante, ela faz voluntariado uma vez por semana num abrigo de moradores de rua?
E de quinze em quinze dias ela sobe o morro e vai dar aulas de culinária para os moradores?
-Como vou saber se ela nem diz nada?
-E penso que nem dirá...Risos... Florinda é como poucas, e poucos a verão, como realmente ela é...
Eu fui conhecendo Florinda então... E fiquei irremediavelmente apaixonado. Confesso que não foi fácil convence-la para morarmos juntos, mas consegui!
Agora tem uns seis meses que ela anda estranha e não consigo atinar o que seja. Vejo que ela não tem dormido direito e com frequência a pego com os olhos inchados...
-Deve ser alguma coisa com os filhos. Diz o barman...
-Também pensei, mas os meninos estão bem e recentemente nasceu uma bebezinha linda e prometeram vir no Natal todos...
De tanto eu insistir, ela me contou ontem que reencontrou o seu ex marido e que andava muito preocupada com sua saúde. Sei que ele foi importante na vida dela e que tem juntos os dois filhos, mas que diabo tinha que voltar agora?
Acabamos por discutir... E ela então me disse que hoje iríamos juntos vê-lo e eu ia entender, o que se passava.
O barman que estava distraído torna a dizer:
-Está com medo de perde-la é?
-Nem pensei nisso!
-Pensou sim, admita. Quem ama é egoísta e individualista. Até quem não ama é.
Quieto o homem deposita no balcão o pagamento do drink e mais a gorjeta e levanta para sair.
-Se voce voltar amanhã, o drink será por minha conta. Diz o barman.
-Por que?
-Pura curiosidade. Risos...
No dia seguinte lá estava o cliente outra vez com outro Martini seco a sua frente.
-Fui com ela ver o ex marido. Não sei como Florinda guardou esta história tanto tempo...
O barman tentava não parecer atento, então disfarçava ...
-Ele é morador de rua, o ex marido de minha Florinda é um morador de rua... Apareceu no abrigo tem coisa de seis meses, Florinda percebeu logo que ele estava doente, pois de primeiro momento nem a reconheceu. Mais um viciado miserável que perambula pelas ruas.
Que merda de vida! Queria que o desgraçado estivesse bem e longe.
Nem os filhos sabiam de seu paradeiro, e agora teremos de contar-lhes pois o infeliz está morrendo, não bastasse o vício das drogas e álcool tem um câncer roendo-lhe o pâncreas.

-Bem, veja pelo lado bom, e existe o lado bom. Diz o bartender
-Os filhos vão poder estar perto do pai em seus últimos momentos, as mágoas e ressentimentos por terem sido abandonados pelo pai vão “zerar,” o sujeito será perdoado e amparado com atenção e afeto e a Florinda não vai te largar. E com certeza ainda vai te amar muito mais por voce apoia-la nesta fase complicada.
Não somos os únicos a querer ser feliz na vida homem, pois se assim fosse ainda não conseguiríamos ser, pois além de nós, existe os outros e a estes também queremos bem e queremos que estejam bem.
Voce e este "coitado" tem sorte, sabia? Por ter Florinda.
Há pessoas que não conseguem amar mais que a família, a sua mulher exercita as mais variadas formas de amor e são poucos os que tem esta capacidade.
Vai homem, bebe seu drink e vá cuidar da vida, porque voce é que é

Guerreira Xue/Hilda Milk
https://www.facebook.com/GuerreiraXue