terça-feira, 18 de fevereiro de 2014

BALOIÇANDO…

BALOIÇANDO… 

À Janela

És o meu sol
És a minha lua
És o som da minha rua
És a menina selvagem
Que salta e pula
Sentes teu corpo estremecer
És o desejo de sempre nua
És o tempo distante
És quem diz querer
És o desejo de te ver
Que embaraça e sente ferver
Como lavra que corre por correr
És o presente no teu universo
És o sentir de um verso
És o desejo de um beijo
És o derradeiro começo
Que te atrapalha e confunde
Mas te entusiasma e conforta
És um forte abraço
És um apelo ao vento
És uma rosa no regaço
És uma ideia de alento
Que te move te faz inspirar
Como se fosse o teu próprio respirar
No fundo és tu intimidante amar
M.R. "Pensamentos a Avulso” 2014