domingo, 19 de março de 2017

AS DIVORCIADAS

Ela são amigas que se encontram para o chá da tarde, ou para happy hour. Os assuntos variam bastantes uma vez que a maioria são trabalhadoras, mães, filhas, e irmãs e são de todas as idades imagináveis. O que elas tem em comum? São todas divorciadas.

Bárbara era uma mulher que pouco saia de casa. Ela tinha estado casada por mais 30 anos e agora, estava divorciada. E de repente se viu jogada no mundo novamente como se estivesse acabado de nascer. Ah, de nascer era exagero dizer, mas ela estava bem confusa. Sentia-se "passada" de idade,
Se inserir no mercado de trabalho, buscar uma vida social que não se restrinja somente a família, pois agora era solteira ou divorciada, que seja.
Ser divorciada na verdade, não é ser solteira... É ser divorciada e é para essas corajosas que recomeçam a vida depois de um casamento que dedico esse livro.

Bárbara então teve uma ideia de reunir um grupo de mulheres que eram divorciadas e que tinham as mesmas dificuldades que ela para retomar a vida de um ponto meio indefinido, porque desde então ela só tinha vivido para a casa, o marido e os filhos. Parece estranho? Não, porque com os salários na atual conjuntura não comporta uma despesas com babás ou cuidadora.  Seria mais fácil ficar em casa choramingando, ou em autocomiseração? Não sei dizer porque não escolhi isso.

Ao perceber a história da mulher no contexto social, percebo que a união pode trazer algum benefício. E é por isso que a partir daqui começamos a trajetória da mulher atual.

Guerreira Xue