quarta-feira, 24 de julho de 2013

MALDITA ESPERANÇA!


De onde vem esta esperança
que parece não ter fim?
Mesmo o dia mais negro
A violência  mais cruel
A vida mais pobre
 E ela me segue
Tomando conta de mim

A fome mais dolorida
O coração dilacerado
O amargor do fel
A noite mal dormida
O órfão abandonado

A morte do filho
O barraco queimado
O frio mais gelado
Se todos morressem
Estaria então acabado

Era melhor tudo terminar
... E então...
Ela parece do nada
De volta a se instalar

E no nada vai brilhando
Maldita esperança...
O sol vai aquecendo
E a danada nos envolvendo...
Bem dita a esperança!
Guerreira Xue
                                                                     Imagem Net