segunda-feira, 22 de julho de 2013

MORAR NA ALMA


Tem dias que fico quieta e presa,
que não consigo sair.
Tem dias que lambendo as feridas,
Então fico no silencio
Há momentos de destempero,
 que choro um pouco
Outros que surpreendentemente,
me ponho a sorrir

Tem dias que alegremente,
 me sinto tudo
E topo qualquer parada
Encaro com fé o mundo

Acho que posso de alguma forma,
compreender de tudo
Mas, tem dias que tristemente
 me sinto nada

Estranhos são os humanos,
andando na dualidade
Vivenciando dias de mentiras reais
E caindo em complexos
sentimentos virtuais
Equilibrando-se ora no sonho,
ora na realidade.

Guerreira Xue
Antonio  Fazendeiro "Melancolia de uma maré vazia."