quarta-feira, 24 de julho de 2013

PEQUENO HERÓI


Eu queria ser policial desde menino para ajudar as pessoas e um  exemplo para ser seguido pelas crianças. Queria que meu pai se orgulhasse de mim também. Confesso que tem sido bem difícil esta tarefa...Depois de dois anos, se o sujeito não tem Deus no coração, fica perdido no meio de tanta violencia droga e desolação. É como se o mundo estivesse em plena guerra, numa decomposição total da humanidade. E por vezes eu me pergunto ainda. Por que?
Uma vez fui fazer uma ocorrencia numa favela para os lados da zona Leste.Chegando lá, o "cara" cheio de crack na cabeça  espancava a mulher grávida de oito meses, como se ela fosse a escória do mundo e fazia isso na frente dos outros tres filhos. Aí eu não me aguentei, sabe. Peguei o sujeito pelas orelhas e tirei para a rua. Não me lembrava de ter ficado tão possesso antes em toda a minha vida. Os vizinhos logo vieram para cima de mim dizendo, que eu estava sendo um covarde, batendo num drogado que nem tinha como se defender.
Dirigi meu olhar para  a multidão que rapidamente se juntava ali, e respondi em seguida:
-E o maldito pode bater na mulher grávida, e dar exemplo de crueldade a seus filhos, porque isso não é covardia? Todos ficaram calados e eu tive tempo de me recompor...
Um colega mais antigo disse-me certa vez que para o bom exercício do ofício, temos que ser imparciais. Pois como policiais não temos que tirar partido e sim fazer cumprir a lei.
Tantos colegas de farda já enlouqueceram nesta vida de policia.
Um dia um superior nosso foi para a frente das cameras em rede nacional e disse que a corporação está cheia de falhas e corrupção. Eu pensei logo, todos querem ser mocinhos e posar de heróis, não é verdade?

Quero ver sair para as ruas com carros sucateados, arriscando levar um tiro por não ter coletes adequados e o prejuizo que causarmos, mesmo que seja em serviço, é descontado de nossos salários.
Agora, dentro da corporação percebo que nossos direitos são mínimos e a lei, está do lado do bandido sempre. O mesmo sujeito "superior" que podia dizer que o sistema é falho e que os homens que estão designados para proteção e ordem do cidadaõ, são sozinhos nesta parada e sem condições de eficácia.
Pensava que ser militar me faria especial e no entanto, precebo agora que tenho que ter cautela em dizer meu endereço de residencia, ser discreto quanto a minha familia e o que devia ser motivo de grande orgulho pessoal, virou uma paranóia coletiva.
Aos poucos estou mudando...O garoto que fui, cheio de certezas e conceitos está desaparecendo dentro de mim. Tento me segurar, para não chorar, afinal isso não é coisa de homem e eu sou um homem.Que boa porcaria!
Em minhas últimas considerações sobre este assunto eu digo que imparcialidade não existe quando se trata de humanos, pois tudo tem uma razão de ser, e não importa que carreira vamos seguir, mudar o mundo é uma questão de tempo, união e vontade. E sozinho também podemos semear qualquer coisinha aqui ou alí..Só depende de cada um....Ajudar o próximo faz bem a nós mesmos e nos faz pensar que somos úteis e afinal teriamos algum propósito.
Guerreira Xue