sábado, 10 de agosto de 2013

QUANDO

Quando a vida parece vazia
E os ossos estão cansados de andar...
Quando a noite não vem...
E o amanhã parece nunca chegar

Quando estou longe de casa
E perambulo entre iguais estranhos
E minhas lágrimas descem sem razão
Há quem passa por mim
e sequer percebe
Sigo lambendo as feridas
no vazio de minha solidão

E é no silencio da noite em meu quarto
Que sinto algum calor
Serenamente os meus olhos se fecham
Deslizando em seus braços adormeço
E quando acordo ainda sinto seu perfume
Ainda sinto o teu amor.

Guerreira Xue
                                                   Imagem da Autora