quinta-feira, 27 de fevereiro de 2014

FARRAPOS DE ALMA

Ele morou na rua, ficou doente, ficou sozinho, sentiu  solidão, sentiu frio, sentiu medo, sentiu saudade.
Ele sentiu o descaso, sentiu a solidariedade, ganhou forças e continuou na rua ajudando, e ajudando-se.

SAUDADE

"Hoje tirei a palavra SAUDADE  do meu vocabulário.
Deitei-a fora.
Ignorei-a,
Esqueci-a.
Recusei-me a aceitá-la!
Mas ela existe.
E por mais que não queira,
É pronunciada,
É sentida,
Tanta vez!
Vezes demais!
Fico com um travo amargo,
Um nó na garganta,
Um aperto!
Fico mal, mesmo...!"

Daniel Horta Nova in Farrapos de Alma  
 https://www.youtube.com/watch?v=zqNZdTXRAFA               
                                 

                                                   O  POETA DA RUA, IMPERDIVEL.