terça-feira, 31 de março de 2015

DEDUÇÕES

A cor verde sempre me atraiu,
pois com ela, veio a esperança.
na pintura dos meus escritos.

Olho as folhas, desenho em branco,
e logo o desejo de preencher os espaços,
que vem do meu coração. Entrelinhas do meu viver.

Poemas são melodias, que alegram meu Ser e viver,
em um mundo onde o deserto da solidão fez morada.
Esse versos de tintas vivas, são meu estandarte.
Luta diária, para fazer de uma nota, uma sinfonia.

Toda chuva, começa com uma gota.
Todo Amor, começa com um olhar
Um poema, começa com umas poucas letras,
que se transformam em um temporal,
que faz de uma poetisa, mulher...

Amar, aproveitar os espaços do existir...
Não é escolha, mas uma desesperada necessidade.
Faça das partes um todo, pois não sabemos,
quando tudo será interrompido, antes do Fim.
Portanto, ame e deixe-se ser amada.

ENILDA TEIXEIRA GOES
https://www.facebook.com/pages/Enilda-Poesias/507084669391753