domingo, 6 de setembro de 2015

ARTE EM SER FELIZ (máscara)

Era isso ou nada. Tinha dias que Rodrigo chorava, e da vida o sujeito reclamava. Seu desgosto era um traço marcante de personalidade e não havia um dia sequer, que o rapaz não blasfemasse. Isso sem contar a sua hipocondria galopante, claro.
Era como se todos, de alguma forma devesse-lhe qualquer coisa, e pagar-lhe-iam certamente.
'Quero que o mundo se exploda. Ninguém liga para mim.'
Depois que Rodrigo fazia todos à volta desconfortáveis com suas queixas e lamentações, esquecendo a razão de estarem sorrindo, ele como se nada tivesse acontecido, irradiava o mais belo dos sorrisos.
‘Como eu estou feliz!’

Guerreira Xue