domingo, 6 de abril de 2014

POSSIBILIDADE IMPOSSÍVEl


Pesadas correntes assombram minha mente
Com lembranças de longas noites escuras
Sem esperança alguma do amanhecer 
Feito flores feias, estas relegadas à secura
Enterradas bem fundo na consciencia
Deixadas de propósito por morrer
E que mesmo assim, sangram
Não ficam esquecidas
Velhas ferídas pútridas disfarçadas
e escondidas
As lágrimas vertem sem consolo agora
Quase todos já sentiram a mesma dor
O cego sabe que a aparencianão é tudo
E a evidencia é quase um nada
E quem vai nos perdoar, senão nós mesmo?
Paciencia
Pois na possibilidade da impossibilidade
e apesar da dor
O mundo vai morrendo...
Sem saber de verdade, o que é o amor.


Guerreira Xue/Hilda Milk