sexta-feira, 10 de fevereiro de 2017

A IRMÃ DO VENTO

O meu pai é o tempo
A minha mãe é a terra
E eu
Sou a irmã do vento

Vento que lá longe corre
Descendo e subindo a serra

Repicando no sino da torre
Levantando o pó da terra

O irmão vento
Que bate nas laranjeiras
Ele que tangendo nuvens

Segue rebatendo nas águas
Arrodeando as cordilheiras

E passando pelas frestas
Ele abre e fecha todas as portas

Das janelas tão modestas
Levando consigo as casotas

Áh! O mesmo vento
Que esburaca o chão
E faz nascer as sementes

Brotando o trigo para o pão
Para com isso alimentar as gentes

O meu pai é tempo
A minha mãe é a terra
E eu
Sou a irmã do vento

Ele que vem de longe
Passa por nós, bem perto

Vento que rodeia pelas cidades
Mas nasce nas areias do deserto.

Guerreira Xue