sábado, 31 de agosto de 2013

FRAPAU

FRAPAU
                                                               
Ele já foi índio
Já foi ave
Foi pequeno aprendiz
E também foi mestre
Já foi um anjo
Vagou em plena luz
Também foi amado
Foi odiado
Temido e abandonado
Virou um demônio
Rastejou pelas sombras
Era um Deus
Que num simples sopro
Virou um Diabo.
Ficou louco, e portanto
Internado.
Morreu
E outra vez foi ressuscitado
Depois de  recuperado
Dizemos bom dia
E damos boa noite
Hoje não é muita coisa
Talvez um sábio
Ou um condenado
Meu amigo de boa estatura.
Um ser humano, quem sabe...
Guerreira Xue
                                                                        Imagem  da Autora