sexta-feira, 13 de setembro de 2013

O ENTREGADOR

O ENTREGADOR

-Quando voltar, voce traz leite amor, não esquece.
-Pode deixar. Disse Jurandir e desliga o celular.
O dia acabou e ele estava tão feliz que nem acreditava na própria sorte.
Jurandir é destes que tem a "cara" do  brasileiro que batalha todo dia, e quando volta para casa vivo, é porque venceu. 
Policial, Juiz de direito, segurança patrimonial? Que nada!O Jurandir é um entregador de mercadorias de lojas virtuais, e faz um dos itinerários mais complicados da cidade. 
A esposa dele estava grávida e o bebe chegava em novembro próximo, e Jurandir acabara de se despedir do emprego. Seu empregador não estava surpreso, talvez decepcionado seria a palavra correta. Era difícil achar algúem que aguentasse muito tempo aquela região, e Jurandir aguentou firme oito dias, mas o que se sucedeu no dia de hoje, foi a gota dágua.
-Se voce tiver vaga para o meu bairro eu continuo, mas no Campo Limpo não vou  mais. 
-Que aconteceu? Perguntou o patrão.

-Aconteceu que hoje, quase fui morto por um motoqueiro psicopata, e depois, quase fui preso por desacato. 
-Como foi isso!?
-Quando estava ainda pela Nações Unidas um motoqueiro apareceu na minha frente, assim do nada e eu quase o "peguei". O sujeito ficou tão danado comigo que começou a me seguir e eu percebendo acelerei com tudo e quando cheguei no farol vermelho, dai não teve jeito. O cara com o revolver na mão, bateu no meu vidro e disse:  "Encosta"...
-Sem opção, eu encostei, pois tinha certeza que se não parasse o cara ia me matar li mesmo, no meio do transito.
Tinha uma viatura de polícia mais ou menos uns cem metros de onde eu estava, então eu comecei a dar sinal de luz sem parar...
Quando eu parei...o cara disse "desce" eu desci  e minha cabeça fervia. Pronto, agora vou ser morto aqui. Ele disparou logo a dizer morto de raiva.
"Tu tem noção do que me fez lá atras véio!?"
"Tenho sim... voce apareceu do nada na minha frente, não teve jeito."
"Por causa desta tua arrogancia, tu vai morrer agora desgraçado!"
-E tudo acontecia ali, a poucos metros de uma viatura de policiais, eu ia morrer e ninguém via...e sinal de alerta ligado o tempo todo.
Disparei a dizer qualquer coisa: "Então tá, se voce saiu de casa com disposição de matar um pai de família, fica a vontade. Se tua consciencia te deixa leve matando um trabalhador, faz então o que te faz feliz.
-Ele estava com o revolver na minha cabeça. e eu pensei em toda a minha vida ali naquele momento. 
Ele pareceu ter se acalmado por um momento e ponderou: " Tu tá com sorte hoje véio, vou deixar passar, mas se eu te encontrar de novo na minha frente, eu não vou vacilar, tá entendendo?"
E dizendo isso ele enfiou o revolver  dentro da cintura e se foi acelerando sua moto...Demorei a me recompor, mas quando dei por mim estava no volante jogando a perua em cima do carro dos policias. Eles imediatamente saltaram assustados e irritados da viatura:
" Voce está bebado, é seu idiota?" Eu estava era com muita raiva mesmo.
" E voces estão dormindo é? Eu fui abordado ali naquele farol, por um motoqueiro maluco armado, que não me matou por um triz . Fiquei fazendo sinal para voces o tempo todo, e nem para cuidar o transito, que é seu trabalho e obrigação, voces estão!
Sem saber o que dizer, eles me olharam: "Olha como fala, podemos te prender  por desacato a autoridade.
Tirei um papel do bolso e escrevi a placa da moto e estendi a eles." Em vez de ameaçarem um trabalhador, passem esta placa adiante, porque este sim é perigoso e está armado. Passar bem!"
Pois é seu D'Avila, tenho familia para cuidar e morto, não tenho serventia alguma.
Sei que ninguém está livre de morrer no transito doido de São Paulo, mas se puder evitar, eu evito
Me salvei hoje ... Risos
Seu D'Avila não teve opção e despediu o moço.E o Jurandir foi para casa tão feliz. Estava vivo.
Guerreira Xue